Please reload

Posts Recentes

Valorize-se para ser valorizado!

31 Jan 2018

 

 

Eu escrevo muito sobre técnicas de locução, dicas de gravação, entre outros assuntos. Não é de hoje que uma discussão interna aflora uma reflexão em relação ao valor que damos e que é dado ao nosso trabalho.

Recentemente deparei-me com uma “tabela de preços” que foi postada no facebook por um locutor onde, por exemplo, “10 offs até 40 segundos custa R$ 80,00 - usar até acabar”.

 

Bom, de cara percebemos duas coisas: valores extremamente baixos e um descuido com o português que é a nossa ferramenta de trabalho e não deveria ser desprezada.

 

Este é um exemplo trágico do que está acontecendo bem perto de nós, especialmente para quem trabalha de forma autônoma e responsável. Muita gente pode até pensar: "É apenas uma gravação de 30 segundos, rapidamente você faz!”. 

 

Isso não deveria me preocupar, pois o público a quem é dirigido esse tipo de anúncio “não me afeta.” Será mesmo? Vamos entender como essas engrenagens funcionam.

 

O valor de uma gravação não está atrelado apenas ao momento em que é solicitada. Neste valor estão contabilizados vários fatores além da gravação em si. Se posicionar em frente ao microfone, colocar sua DAW (Digital Audio Workstation) para gravar e ler o texto parece ser tudo muito simples. 

 

Eu nem vou abordar qualquer aspecto técnico que envolve uma boa gravação, pois não é esse o tema de hoje, mas existe muita preparação para que seja bem feito o nosso trabalho. 

 

Mas vamos voltar ao nosso produto: voz gravada e o seu valor. Devemos considerar no cálculo, antes de tudo, a qualidade que você imprime às ideias do texto, o cuidado com a qualidade do seu áudio e por fim a veiculação que será feita dessa mensagem, se em carro de som (que também merece toda a atenção), nas redes sociais, em rádio ou televisão; ou seja, serão inúmeras as vezes que ela será repetida e a quantidade de pessoas atingidas por essa mensagem na sua voz faz toda a diferença. Em resumo, não é apenas o trabalho que você executa dentro do estúdio, é o que a gravação faz, lá fora, pelo seu cliente!

 

É natural que cada profissional da voz trabalhe numa determinada faixa de valores e o mercado está aí disponível para todos aqueles que querem trabalhar prestando um bom serviço e conquistando novos parceiros.

 

Eu não sei quais valores são cobrados por outros colegas de profissão, mas sei o suficiente que esses R$ 8,00, provavelmente, não chegam às mãos do locutor, valor total cobrado por um “off” (acho horrível essa definição) que ainda vai ser dividido entre os envolvidos – como no exemplo acima – é de uma desvalorização descabida e até injusta.

 

Mas a pergunta que não quer calar: quanto devemos cobrar?

 

Sempre levo em consideração esses fatores:

 

•    Qual o tipo de peça? É spot, vinheta, treinamento, apresentação corporativa, de produto ou serviço, treinamento interno, ou será parte de um produto a ser comercializado?
•    Quantos minutos terá essa locução?
•    Em qual meio de comunicação será veiculado: rádio, TV, internet ou apenas em plataformas internas?
•    Qual o alcance, ou seja, a veiculação é em uma cidade de grande, médio ou pequeno porte? Ou será no país inteiro?
•    Por quanto tempo esta gravação, na sua voz, prestará este serviço?

 

Este último ponto é de suma importância, uma vez que a gravação pode ficar no ar por um ano ou pode ter uma vida extremamente curta, quando tratamos de promoção, evento ou lançamento de um produto.

 

Há sempre casos em que conseguimos negociar os valores, principalmente quando se trata de um cliente antigo, correto nos compromissos com você, mas que, eventualmente, esteja num projeto com pouco orçamento disponível. Nós sempre fazemos isso, faz parte da relação de parceria como prestadores de serviços. Mas a negociação deve levar em consideração os elementos que mencionei acima. 

 

O grande problema que vejo nesses valores absurdamente baixos é a total falta de respeito pelos profissionais envolvidos nessas produções. Se o locutor  fazendo um trabalho personalizado está recebendo tão pouco, o que dizer do músico que criou a trilha? Ou você acredita que este músico que também estudou, trabalhou e suou muito até gravar aquele BG utilizado nesse tipo de produção recebe algum dinheiro por isso? 

 

Voltando ao mundo da locução, no final das contas, cada um trabalha pelo valor que conquistou no mercado e se assim consegue viver satisfeito, boa sorte! Caso contrário, lute pelo valor que você considera ser merecedor.

 

 

 

 

 

Please reload

Siga
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square